Publicidade

segunda-feira, 24 de março de 2014 Sem categoria | 15:31

A História de O e a busca pelo erotismo perfeito

Compartilhe: Twitter
Anne Cécile Desclos, assinando como Pauline Réage, escandalizou Paris em 1954 com A História de O - um clássico da literatura erótica

Anne Cécile Desclos, assinando como Pauline Réage, escandalizou Paris em 1954 com A História de O – um clássico da literatura erótica

Acabo de ler “Story of O”, de Pauline Réage, um clássico da literatura erótica – estou passando uma lista em revista nesse campo. Gosto de literatura e de erotismo. Infelizmente, essa seara é como filme de terror – você assiste dez obras sofríveis até achar uma que valha a pena. Há uma edição de “A História de O” em português, em catálogo, da Ediouro. E o livro já foi publicado no país também pela Brasiliense.

“A História de O” escandalizou a França ao ser publicada, em 1954. A pessoa por trás do pseudônimo “Pauline Réage” só se revelou 40 anos depois da obra vir à tona, numa entrevista à revista americana The New Yorker: tratava-se de Anne Cécile Desclos, que escreveu também uma continuaçao de “A História de O”, em 1969, “Return to the Château”, obra que aparentemente não existe em português – em espanhol traduziram como “Retorno a Roissy”.

Anne Cécile, nascida em 1907, tinha 47 anos quando criou O. Ela morreria em 1998, quatro anos depois de revelar sua identidade ao mundo, aos 91 anos. Anne Cécile foi escritora, tradutora, editora e jornalista, tendo chegado a trabalhar com André Gide. Anne contou ter escrito “A História de O” em resposta ao fato de Jean Paulhan, seu amante e seu chefe na editora Gallimard, um admirador da obra do Marquês de Sade, haver dito que “mulheres não são capazes de escrever romances eróticos”.

Ainda não li “Return to the Chateau”. Não resistirei a fazê-lo, certamente. E pretendo checar a leitura gráfica que Guido Crepax fez da obra de “A História de O”.

Também há dois filmes baseados na obra de Anne Cécile: A História de O, 1975, de Just Jaecking, e “A História de O – 2”, 1984, de Eric Rochat, que também produziu uma série de TV, em 1992, com um elenco cheio de brasileiros, de Nelson Freitas e Paula Burlamaqui.

Em minhas incursões pela literatura erótica, busco obras que me inspirem. É mais ou menos como no mundo (muito mais vasto e segmentado) da pornografia – você tem que achar a frequência que faz sentido para você. Tenho tido mais facilidade para montar um mural do meu agrado na pornografia digital do que propriamente na literatura. As obras clássicas – de “Um Romance Sentimental”, de Alain Robbe-Grillet, a “História do Olho”, de George Bataille – se parecem. E nenhuma delas se parece comigo.

Colo aqui as minhas impressões da leitura do livro de Anne Cécile. Se você também gosta de navegar por essas águas, talvez algumas dessas notas possam lhe ser úteis. O que é erótico para uns pode não ter a menor graça para outros – ao mesmo tempo que escandaliza outras pessoas acolá. E se em sua busca você achar coisas interessantes por aí, é favor me avisar. (Ah, sim. Pode avançar tranquilo, não há spoilers abaixo.)

1. A mulher é sempre um objeto dominado. Do ponto de vista feminino, um objeto nascido para ser dominado. Do ponto de vista masculino, um objeto feito para a dominação. Houve por anos um debate sobre quem estaria por trás do pseudônimo “Pauline Réage”. Talvez fosse um homem. O livro de Anne Cécile é conduzido por um ponto de vista muito masculino sobre a sexualidade – inclusive a feminina. É como se a autora olhasse a si mesma, e ao jogo erótico, não do ponto de vista dela, e nem mesmo do ponto de vista masculino (a sua visão não me conecta, por exemplo), mas sim do ponto de vista do que ela imaginava que um homem pensaria, sentiria e esperaria de um livro erótico. Não é erotismo feminino – mas um livro de erotismo falocêntrico escrito por uma mulher. (A revelação de que ela o escreveu como uma resposta ao desafio de seu amante, um fã de Marques de Sade, pode ajudar a entender isso. O resto é só o machismo e o sexismo misógino tão comumente adotados com afinco pelas mulheres.)

2. Tive a impressão, ao longo da leitura, que as coisas que iam se sucedendo com O representavam, metaforicamente, o sonho de todo macho que começava ali, no pós Guerra, a perder para as mulheres o poder absoluto que detinha na sociedade. A História de O é uma nostalgia expandida da mulher escrava – imagem que, aparentemente, não passava só pela fantasia dos homens conservadores, mas também das mulheres conservadoras: a volta a uma relação feudal e de posse entre os sexos.

3. Boa parte dos clássicos de literatura erótica que tenho lido passam por uma transgressão aos bons costumes de uma sociedade tradicional. Esse é o parâmetro do qual se parte sempre, inclusive em tempos mais recentes, com esse “50 Tons de Cinza”, que celebra bobagens que só podem celebrar leitores que forem cheios de grilos na cama. A suposta transgressão, quando é apenas um espelho invertido da caretice e da convenção, não transgride nada. Ao contrário – celebra a própria canhestrice que tenta disfarçar com cores opostas. Em suma: gente reprimida escrevendo fantasias fundadas na autorrepressão costumam render narrativas muito chatas e óbvias e previsíveis se você for só um pouquinho mais liberado. É quando o erótico fica bobo, por ser ingênuo. E quando a viagem pseudolibertária revela na primeira página o arcabouço conservador do qual não consegue se livrar. O homem rico, poderoso, charmoso e misterioso versus a moça ingênua de “50 tons” me fizeram parar na primeira página – o argumento não fica em nada a dever aos antigos livretos de coleções vendidas em banca, como Bianca e Sabrina. Na História de O, o boquete é frequentemente visto como uma humilhação. (Talvez para a minha avó, que em 1954 tinha 29 anos e era uma respeitável mãe de família num rincão agrário do Rio Grande do Sul. Mas não para mim.) A minha perspectiva sexual é outra. Bem, Anne Cécile tem o desconto da época em que viveu e a moral que enfrentou – inclusive dentro de si. Já E.L. James, a autora de “50 Tons”, não tem nenhuma desculpa – ela é só careta mesmo.

4. Sob a perspectiva de O, a melhor – e a pior – coisa que pode acontecer a uma mulher é ser amada por um homem. Tornar-se seu objeto de adoração – e de imolação. Ao mesmo tempo, esse é o grande objetivo feminino, segundo o livro: ser escolhida por um homem, viver à sombra do seu amor e do seu jugo. Isso justifica tudo. Como se as mulheres só encontrassem seu propósito e só estivessem plenas ao servirem a um macho. E mais realizadas elas serão quanto mais sem fronteiras for essa entrega. Na outra face dessa mesma moeda, é como se o amor masculino representasse sofrimento para as mulheres, como se a paixão dos homens fosse tanto mais sincera quanto mais violenta. Os caras que torturam O, no fundo, a amam, a idolatram. Tirar-lhe os pedaços significa adoração. Significa que a escolheram. Para O, o pior cenário é não depender de um homem. É não ter um homem a quem entregar a sua guarda, nem por quem ser violada. Ser desejada é tudo – mesmo quando o desejo lhe é corrosivo. Ou tanto mais quando ele é assim. “Ela não era mais livre? Sim! Graças a deus ela não era mas livre”, revela Anne Cécile sobre o sentimento de O diante do progressivo desmanche de si mesma diante do jugo de seu amante. E esse jugo é passado de uma mulher a outra. Não como maldição – mas como privilégio. A vida das mulheres não ganha sentido até que encontrem um dono para lhes escalavrar.

5. A todas essas O poderia simplesmente ir embora. Em determinado momento é dito a ela que enquanto ela ficar ela terá que se submeter a tudo, mas que ela não é obrigada a ficar. A incrível dependência emocional que ela nutre em relação a seu amante, ou em relação a qualquer homem que lhe der atenção, mesmo que a custa da sua integridade, é notável. (E faz pensar nos casos de violência doméstica, que pululam por aí, mundo afora, nos dias que correm, em que a mulher é a primeira a defender seu agressor, garantindo as condições para que a agressão continue.) René, seu amante, pede a sua permissão para lhe açoitar – quando sabe que a resposta será positiva. É um gesto de extrema covardia, do lado dele. E de extrema submissão, do lado dela. Trata-se do cúmulo do exercício de poder do mestre sobre o escravo – eu lhe ofereço a liberdade quando sei que você não vai embora.

6. Por que ela se submete parece ser a pergunta metafórica do livro: por que as mulheres se submetem a esse jogo de mestre/escravo? Por amor a um homem. “Eu te amo, faça o que quiser comigo mas não me deixe, pelo amor de deus não me deixe”, diz O. Ou, se extrapolarmos a questão de gênero: por que qualquer um de nós se submete? Talvez a obra pudesse simplesmente ser lida como um exercício sadomasoquista que agrada aos sádicos e aos masoquistas. Mas por que, entre os clássicos da literatura erótica, o sádico, o que dispõe do outro, o que detem o poder, é sempre o homem? Por que a mulher é sempre a criatura humilhada, despojada de sua dignidade, destroçada? Por que é sempre que ela que sente prazer com isso, com a autoaniquilação, enquanto o prazer masculino é sempre mais digno e confortável?

7. Será que o arquétipo sexual feminino é afinal definido pela submissão de ter sido historicamente o gênero mais fraco fisicamente? O gênero que com mais frequência tem que arcar com o risco sempre iminente da dor em uma penetração? Ou, ao contrário, será que as mulheres sempre estejam nessa posição por sua suposta maior resistência à dor, como o sexo destinado a parir outra pessoa através da sua própria genitália? Talvez homens e mulheres se orientem sexualmente, em algum nível, a partir desse padrão – os homens seriam igualmente escravos da tradição neandertal impressa em seu sistema límbico, de espalharem seus genes por aí de modo muitas vezes violento. Por esse raciocínio chegamos à ideia de uma dominação hormonal dos gêneros, cabendo sempre às mulheres a regulação de sexo – como a festa se dá sempre dentro dela, ela só deixaria entrar quem ela quisesse, quando ela quisesse, do modo que ela quisesse. Para o homem, historicamente, romper (literalmente) com essa tradição, e passar a regular o jogo sexual, tendo o que ele quer na hora em que ele desejar, é a obtenção do poder máximo. (A tradição é que o homem domine o jogo sexual, mas não que o regule.) Do ponto de vista feminino, quando a mulher entrega esse timão ao homem, não haveria presente maior, não haveria maior entrega nem maior prova de amor.

8. René, o amante de O, por quem ela é apaixonada, lhe doa a vários outros homens. E lhe concede a Sir Stephen, parceiro de René, que tem ascendência sobre ele – entre os dois há uma cumplicidade sexual cujos limites não ficam claros, mas que parecem ser bem elásticos. O se sente traída. Mas ela aceita ser dada de um homem a outro, como uma metáfora do aceite, pelas mulheres que dependem de seus homens, da traição a que são submetidas. Aceitar que René a renegue, a recuse e a humilhe é uma prova do amor que ela sente por ele. Submeter-se a outro homem indicado por seu homem é submeter-se a ele, e declarar – ou provar – seu amor a ele. Quanto maior a tortura, maior a chance de se provar como amante e como mulher. Eis a lógica de O – ela é uma mulher apaixonada e faz tudo por amor.

9. O experimenta o suposto prazer ser uma puta. Sim, a velha dicotomia entre santa e puta. Um negócio mais velho que Freud. E como toda mulher tem que ser santa, quem experimenta o sexo, gostando ou não, é uma puta. Para uma puta voltar a ser santa, é preciso trilhar o caminho da expiação. Daí, também, a tortura ser bem-vinda. O chicote e os ferros a purificam. O mesmo membro que a lastima a absolve. A luxúria da carne e a mortificação da carne, no mesmo gesto, que geram a puta, isolam a puta e fazem brotar, por entre filetes de sangue, a santa. Para brincar um pouco mais na poeira do freudismo (que sem dúvida deve ter influenciado muito Anne Cécile na década de 50): mais eros e menos thanatos, por favor.

10. O livro é centrado na mulher. E essa proeminência do feminino é paga com sangue. O homens não disputam esse proscênio, mas esfolam quem é colocado lá. Tudo gira em torno do gineceu – e por isso mesmo ele é açoitado sem dó pelo androceu a quem ele serve. Outro aspecto dessa coreografia que joga as mulheres no centro das atenções, como objetos a serem desfrutados, apenas para lhes tirar o couro, é a sua colocação como um anteparo necessário – mas ao mesmo tempo odioso – entre dois homens, funcionando como um amortecedor para o homoerotismo, sempre disfarçado de camaradagem e de cumplicidade de gênero, entre dois homens. Confira na próxima cena de dupla penetração, ou de ménage a trois de uma moça com dois homens, ou de gang bang, com a qual você topar – a cena tem sempre um subtexto de sexo entre homens, mediado fisicamente por um corpo feminino. O foco do interesse do caras é muito mais o relacionamento entre eles do que um interesse genuíno no sexo oposto. Quem gosta de mulher costuma tratar bem e quer exclusividade. O sexo entre homens, intermediado por uma mulher, é o máximo de intimidade e de intercurso que dois caras conseguem estabelecer entre si sem sair do espectro da heterossexualidade.

11. E de novo o sexo anal assume conotação de jugo, de controle, de humilhação e de um imposição de dor e de tortura de um amante a outro. Pier Paolo Pasolini já falava disso: o coito anal nunca é visto como um ato de amor, um gesto de carinho, uma brincadeira sexual legítima ou como um interesse ou uma forma de prazer para quem o recebe – ele é sempre representado de modo fascista e autoritário, como um domínio truculento de um parceiro pelo outro. Será que em 2014 isso é diferente? Lembro de uma representação um pouco diferente em Crash, filme de 1994, de David Cronenberg – mas mesmo ali o prazer da moça partia do seu gosto pela dor e não como uma carícia sexual delicada do seu parceiro.

12. A única expressão de amor próprio de O é se sentir atraída por outras mulheres – elas são a sua imagem, ela se vê nelas. A homossexualidade de O é um exercício de autoestima.

13. Ao final, O contempla a escravidão ou a morte. A liberdade não é uma escolha para ela. Para ela, é pertencer ou perecer. (Pensando bem, 1954 não envelheceu tanto assim…)

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,

53 comentários | Comentar

  1. 103 Adriano da Silva 24/03/2014 21:16

    Gostei

    Responder
    • Eloise 08/02/2015 2:56

      Boa noite!

      Acabei de ler A História de O e corri fazer minhas pesquisas, topei com a sua opinião sobre a leitura e tenho que dizer, concordo com todas as palavras que disse. Impressionante o que uma mulher é capaz de suportar por amor ou pela necessidade dele…

      Responder
    • Adriano Silva 25/03/2014 8:24

      Valeu, xará. Grande abraço. Nos vemos toda segunda aqui e também no http://www.manualdeingenuidades.com.br.

      Responder
  2. 102 JOSE ROCHA 25/03/2014 1:12

    REALMENTE, RETORNO A ROISSE NAO TEM TRADUÇÃO EM PORTUGUES, MAS É UM BOM LIVRO, POREM FICA LONGE DA OBRA ORIGINAL….

    Responder
  3. 101 Renato Alvim 25/03/2014 8:43

    Li esse livro em 1980, com certeza é o melhor livro que do gênero. Fizeram alguns filmes sobre o livro, mas, nada que se compare ao livro. Se encontrasse o livro de novo, certamente eu o compraria.

    Abração

    Responder
    • Adriano Silva 25/03/2014 9:39

      Valeu, Renato. Dá uma busca na Saraiva ou na Cultura. Acho que tem uma edição da Ediouro disponível. Grande abraço!

      Responder
  4. 100 Rafael 25/03/2014 10:13

    Li esse livro a um bom tempo, logo depois de ter lido Lolita do célebre Nabokov. Não sabia da continuação, porém meu espanhol não é bom o suficiente para ler a obra. Espero que seja boa, ou tão boa quanto a primeira.
    A história de O é interessante também pela protagonista não possuir nome próprio, sim um apelido, abdicando um pouco da própria personalidade e entrando na submissão como gosto próprio.
    Comprei o livro A história de O no hipermercado Extra por R$ 9,99. Aquelas promoções que encontramos vez em quando. Acho dei sorte no final das contas. Adquiri Lolita de graça, numa feira de adoção de livros e esse peguei uma bagatela.
    Literatura erótica de qualidade por menos de dez reais!

    Responder
  5. 99 Viviane 25/03/2014 10:24

    Adriano, recomendo a leitura do livro RAINHA SARAH – Um.
    Que 50 tons que nada…
    Este livro sim me encanta mais por se tratar da Dominação feminina e submissão masculina (FemDom)

    http://www.estadoatual.com.br/index.php/regionais/editorias/saude/4157-rainha-sarah-um-
    http://www.skoob.com.br/livro/372622-rainha_sarah
    https://www.facebook.com/rainha.sarah

    Abraços

    Rainha de Copas

    Responder
    • Adriano Silva 25/03/2014 14:30

      Muito obrigado pela dica, Viviane. Não conhecia e vou procurar. Um beijo!

      Responder
  6. 98 Érica Araújo Castro 25/03/2014 13:45

    Ola, Adriano.

    Gostei de sua anásile da História de O, uma de minhas obras de cabeceira junto aos tantos do Marquês e a Vênus das Peles, de Sacher-Masoch. Sua constataçao de que é um livro falocêntrico foi bem interessante e fala exatamente do q me incomoda nele: a maneira como uma mulher escreveu sobre o desejo masculino. Se fosse uma poesia, ouviríamos a voz de um homem como eu-lírico.

    gostaria agora de falar sobre suas perguntas com relaçao ao porquê da eterna submissao feminina -msm quando uma mulher escreve. Bem, nao é sempre assim. Existe na literatura clássica erótica uma vertente q preconiza a dominaçao da mulher sobre o homem representada pelo Vênus das Peles, já referido. Confesso-lhe que estas falam mais comigo que as outras – eu mesma uma grande admiradora da literatura erótica e também escritora do gênero.

    Assim, sugiro-lhe, como vc pediu em seu texto, a leitura de Masoch e do meu próprio livro, Rainha Sarah – Um. Eles transitam pela seara da dominaçao feminina. Vejamos se lhe agradarão :)

    Responder
  7. 97 Carla Oliveira 31/03/2014 23:28

    Oi, Adriano!
    Acabo também de ler “Story of O”, na edição da Corgi Books. Gostei muito da tua crítica sobre o livro. Ando lendo eróticos e “Story of O” é, sem dúvida, o livro mais pesado do gênero que li até agora.
    Sugiro três eróticos do século XVIII que li há pouco (são mais divertidos):
    “Ligações perigosas”, do Choderlos de Laclos – é melhor do que o filme.
    ‘Anti-Justine”, de Restif de la Bretonne – interessantíssimo, muito peculiar.
    “Fanny Hill, memórias de uma mulher de prazer”, de John Cleland.
    Um abraço e boas leituras!

    Responder
    • Adriano Silva 01/04/2014 8:43

      Muito obrigado, Carla. Vou conferir! Beijo.

      Responder
  8. 96 Carlota 01/10/2014 13:02

    Em A Vênus das Peles os papéis de submissão/dominação são invertidos. Na obra em questão é o homem quem se submete. E olha que a obra é de 1870.

    Responder
  9. 95 Jorge Antunes 16/09/2015 4:02

    Em primeiro lugar, gostaria de parabenizar sua resenha. Admiro muito esta obra e é a primeiro texto que eu encontro escrito em português que valha a pena ser lido (e discutido!).

    Também me interesso muito pela literatura erótica e recentemente descobri um blog de contos bastante subversivo, eu diria. Talvez você se interesse:

    http://osegundocu.com/

    (o nome já começa meio engraçadinho)

    Novamente, parabéns pelo texto. Vou recomendá-lo para meus amigos.

    Responder
  10. 94 Moisesvaw 26/03/2017 12:48

    buy viagra fast delivery

    Responder
  11. 93 Roberprusty 10/05/2017 3:36

    Cod Zentel Medication Pharmacy Levitra Interazioni Viagra Pastiglie Morbide viagra isotretinoin 10mg in germany discount store Online Pharmacy India Cialis Vre Amoxicillin Prix Cialis 20mg Tadalafil

    Responder
  12. 92 Dannymandy 09/06/2017 16:28

    Attention Required! | Cloudflare
    Attention Required! !..

    Responder
  13. 91 KennteeM 19/06/2017 3:18

    Generic Viagra Healthy Man Prices For Propecia Commande Cialis 20 Mg

    Responder
  14. 90 TimothyWef 29/06/2017 8:51

    301 Moved Permanently
    Click here!

    Responder
  15. 89 Ernesto 19/08/2017 14:56

    personal loans maryland
    online payday loans
    applying for a loan

    Responder
  16. 88 Gabrielle 20/08/2017 15:34

    viagra sale uk online
    viagra generic
    can buy viagra rite aid

    Responder
  17. 87 Steffen 24/08/2017 12:35

    casino games list tables
    online casino real money
    bonus slots real money

    Responder
  18. 86 Ruby 26/08/2017 20:20

    best online casinos for baccarat
    casino games
    mobile bingo real cash

    Responder
  19. 85 Antoinette 30/08/2017 9:35

    buy viagra in amsterdam
    generic viagra
    cheap viagra germany

    Responder
  20. 84 Glenn 01/09/2017 19:01

    levitra buy online no prescription
    levitra
    order levitra no prescription

    Responder
  21. 83 Aleida 02/09/2017 12:06

    safe place buy levitra
    vardenafil
    buy levitra cheap

    Responder
  22. 82 Abbie 06/09/2017 18:50

    order viagra internet
    generic viagra 100mg
    viagra sale cyprus

    Responder
  23. 81 Matt 07/09/2017 3:29

    viagra for sale in tesco
    generic viagra coupons
    viagra + where to buy + .au

    Responder
  24. 80 Neil 16/09/2017 13:11

    http://getloansusapersonal.com/ – payday loans online
    online payday loans
    loan online

    Responder
  25. 79 Joeann 17/09/2017 22:25

    http://getloansusapersonal.com/ – online payday loans
    loan online
    online loan

    Responder
  26. 78 Kristofer 18/09/2017 21:47

    http://getloansusapersonal.com/ – payday loan
    payday loans no credit check
    online loans

    Responder
  27. 77 IvanYpy 21/09/2017 17:22

    http://recoverperu.org

    Responder
  28. 76 sverigapotek 24/09/2017 1:57

    alternativ till säljes, http://sverige-apotek.life/terafin.html , Stockholm online.

    Responder
  29. 75 Lyle Magg 24/09/2017 8:05

    I am glad to be one of several visitants on this outstanding internet site (:, thankyou for posting.

    http://www.ergfirnolikz.com/

    Responder
  30. 74 AlysonAge 26/09/2017 14:38

    Oh God. I don’t know what to do as I have loads of work to do next week month. Plus the university exams are getting, it will be a hell. I am already being nervous maybe I should Contact to calm down a little bit. Hopefully it will all go well. Wish me luck.

    Responder
  31. 73 apoteksverige 28/09/2017 21:58

    apoteket USA, http://natalie.pierotti.org.uk/wp-content/uploads/apotek/suhagra.html , generisk Sverige apotek.

    Responder
  32. 72 AlysonSmm 03/10/2017 0:39

    Oh God. I don’t know what to do as I have a lot of of work to do next week semester. Plus the university exams are nearing, it will be a hell. I am already being nervous maybe I should source to calm down a little bit. Hopefully it will all go well. Wish me luck.

    Responder
  33. 71 Jaime 04/10/2017 4:21

    24 hour loan service
    need a personal loan
    cash america loan

    Responder
  34. 70 AlysonBfc 04/10/2017 8:22

    Hi everyone! Lately I have been dealing with a lot of hardships. Friends and doctors keep telling me I should consider taking pills, so I may as well source and see how it goes. Problem is, I haven’t taken it for a while, and don’t wanna get back to it, we’ll see how it goes.

    Responder
  35. 68 AlysonIhd 06/10/2017 17:42

    Hello all! Lately I have been battling with a lot of hardships. Friends and doctors keep telling me I should consider taking medicine, so I may as well read more and see how it goes. Problem is, I haven’t taken it for a while, and don’t wanna get back to it, we’ll see how it goes.

    Responder
  36. 67 Twyla 07/10/2017 1:27

    viagra for sale in new york
    viagra 100mg
    cheap viagra china

    Responder
  37. 66 AlysonUed 07/10/2017 12:40

    My friend and I went camping the other day. It was a tiring experience, as he wouldn’t let me sleep all night. He kept talking about random things and complained about his wakefulness. I totally told him to link and deal with it.

    Responder
  38. 63 Samara 09/10/2017 18:27

    cheap viagra kamagra
    viagra 100mg
    buy viagra amazon

    Responder
  39. 59 AlysonRqa 17/10/2017 8:16

    http://tinyurl.com/yc45ayd2

    Responder
  40. 58 BethanyOry 17/10/2017 8:50

    https://www.last.fm/user/Tatianicrosey6

    Responder
  1. ver todos os comentários
 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios